Inscreva-se

Menu

Como surgiu a Bíblia? Quem são os autores?

Como a maioria dos irmãos e irmãs no Senhor, eu li a Bíblia repetidamente todos estes anos. Gradativamente, me apaixonei por ela. Ler, memorizar, e copiar a Bíblia já se tornaram partes indispensáveis de minha vida. Como muitos crentes no Senhor, eu também creio que a crença Nele é crença na Bíblia; se alguém se afasta da Bíblia, então não pode ser chamado de crente no Senhor; toda a escritura é a palavra de Deus e é inspirada por Deus. A Bíblia se tornou um livro sagrado em nossos corações, que não tem absolutamente nenhuma mácula ou erro. Não nos importamos se temos a obra do Espírito Santo, e pensamos que podemos seguir vivendo mesmo se não podemos tocar a presença do Senhor, mas assim que perdemos a Bíblia, então é como se perdêssemos nossa vida. Contudo, não temos ideia de quais são as origens da Bíblia, ou que tipo de livro ela realmente é, e quem é seu autor.

Como surgiu a Bíblia? Quem são os autores?

Um dia, em um website famoso, vi muitos livros da verdade que revelaram vários mistérios raramente conhecidos pelas pessoas, incluindo o mistério da Bíblia. Havia uma passagem que diz: “A Bíblia é um registro histórico da obra de Deus em Israel e documenta muitas das predições dos profetas antigos, bem como algumas das declarações de Jeová em Sua obra naquele tempo. Assim, todas as pessoas consideram esse livro como santo (pois Deus é santo e grandioso). Naturalmente, tudo isso é um resultado de sua reverência por Jeová e sua adoração por Deus. As pessoas se referem a esse livro dessa maneira apenas porque as criaturas de Deus são grandes adoradoras do seu Criador, e existem mesmo aqueles que chamam esse livro de um livro celestial. Na verdade, é meramente um registro humano. Não foi nomeado pessoalmente por Jeová, nem Jeová pessoalmente guiou sua criação. Em outras palavras, o autor deste livro não é Deus, mas os homens. A Bíblia Sagrada é apenas o título respeitoso que lhe é dado pelo homem. Este título não foi decidido por Jeová e Jesus depois que discutiram entre si; não é mais do que uma ideia humana. Pois este livro não foi escrito por Jeová e muito menos por Jesus. Em vez disso, são os relatos de muitos profetas antigos, apóstolos e videntes, que foram compilados por gerações posteriores em um livro de escritos antigos que, para as pessoas, parece especialmente sagrado, um livro que eles acreditam conter muitos mistérios insondáveis e profundos que estão esperando para serem desvendados pelas gerações futuras. Como tal, as pessoas estão ainda mais predispostas a acreditar que este livro é um livro celestial. Com a adição dos Quatro Evangelhos e do Livro do Apocalipse, a atitude das pessoas em relação a ele é particularmente diferente de qualquer outro livro e, portanto, ninguém se atreve a analisar esse ‘livro celestial’ — porque é muito ‘sagrado’” (de “A respeito da Bíblia (4)”).

A partir dessa passagem de palavras, entendi que a Bíblia contém não apenas as palavras de Deus, mas também muitas palavras de homens, e que somente quando diferenciamos entre as palavras de Deus e as palavras do homem na Bíblia podemos tratá-la devidamente. De fato, as palavras de Deus na Bíblia incluem as palavras que Ele falou a Moisés, Sua revelação aos profetas, as palavras do Senhor Jesus e as profecias no livro do Apocalipse. A maioria das outras palavras na Bíblia é, na verdade, palavras dos homens, entre as quais algumas são as experiências e entendimentos originários do esclarecimento e iluminação de Deus, e algumas são os registros das figuras e eventos históricos. Além destas coisas, a Bíblia também documenta algumas palavras de Satanás, como as palavras que a serpente disse para atrair Eva, e as palavras que Satanás falou para tentar o Senhor Jesus.

Além disso, a partir da formação da Bíblia, vi que a obra de Deus é sempre realizada antes de ser compilada pelo homem. Por exemplo, o Novo Testamento só veio a existir depois de 300 d.C. Depois, gerações posteriores compilaram os registros da obra do Senhor Jesus e as palavras mantidas pelos apóstolos e discípulos durante o período em que eles seguiram o Senhor Jesus nos Quatro Evangelhos. Enquanto isso, eles também compilaram algumas das experiências e entendimentos dos apóstolos e discípulos, incluindo as cartas de Paulo na Bíblia, independentemente de terem vindo da iluminação e orientação do Espírito Santo ou das noções e imaginações do homem. Depois que a Bíblia se tornou um livro, geração após geração de crentes em Deus tem considerado isso como um precioso tesouro, exaltando e pregando até hoje. Contudo, não se pode negar que, não importa o quanto as pessoas apreciem este livro, as cartas, experiências e entendimentos dos apóstolos e discípulos não são as palavras de Deus; mesmo que alguns deles estejam de acordo com a verdade, eles só podem ser tomados como palavras inspiradas pelo Espírito Santo, e nunca podem ser confundidos com as palavras de Deus.

Na verdade, cada capítulo da Bíblia tem seu autor e foi registrado e compilado pelo homem. Os registros humanos estão sempre misturados com a vontade e a imaginação humanas e têm erros. Por exemplo, o Antigo Testamento registra “A ira do Senhor tornou a acender-se contra Israel, e o Senhor incitou a Davi contra eles, dizendo: Vai, numera a Israel e a Judá” (2 Samuel 24:1). “Então Satanás se levantou contra Israel, e incitou Davi a numerar Israel” (1 Crônicas 21:1). Destes dois versículos podemos ver que um diz que o Senhor Deus moveu Davi para numerar Israel, enquanto o outro registra que foi Satanás que provocou a Davi a numerar Israel. Além disso, em relação à morte de Judas, um versículo diz “E tendo ele atirado para dentro do santuário as moedas de prata, retirou-se, e foi enforcar-se” (Mateus 27:5),  e outro diz: “Ora, ele adquiriu um campo com o salário da sua iniquidade; e precipitando-se, caiu prostrado e arrebentou pelo meio, e todas as suas entranhas se derramaram” (Atos 1:18). Pode-se ver que a mesma coisa é registrada de maneira diferente nesses dois versículos. Se fossem as palavras dadas pela inspiração de Deus, não haveria essas discrepâncias. A partir disso, percebi que o autor da Bíblia é o homem e não Deus. Assim, os registros referentes a Deus e à obra Dele, compilados por pessoas corrompidas, serão inevitavelmente misturados com as imaginações, noções e definições do homem, e até mesmo terão muitos ditos e conclusões absurdos. A genealogia bem conhecida de Jesus, escrita por Mateus, é um exemplo típico. Este livro da verdade diz: “No início, ele diz que Jesus era descendente de Abraão e de Davi, e filho de José; em seguida, diz que Jesus foi concebido pelo Espírito Santo e nasceu de uma virgem, o que significaria que Ele não era filho de José ou descendente de Abraão e de Davi. A genealogia, porém, insiste em associar Jesus a José. Em seguida, a genealogia começa a registrar o processo pelo qual Jesus nasceu. Ela diz que Jesus foi concebido pelo Espírito Santo, nasceu de uma virgem e não é filho de José. No entanto, na genealogia está escrito claramente que Jesus era filho de José, e porque a genealogia foi escrita para Jesus, ela registra quarenta e duas gerações. Quando trata da geração de José, ela diz apressadamente que José era o marido de Maria, palavras utilizadas para provar que Jesus era descendente de Abraão. Isso não é uma contradição? A genealogia documenta claramente a ascendência de José, ela é obviamente a genealogia de José, mas Mateus insiste que é a de Jesus. Isso não nega o fato da concepção de Jesus pelo Espírito Santo? (de “A respeito da Bíblia (3)”). Portanto, é inteiramente porque Mateus não entendeu a verdade que ele criou a genealogia para Jesus; na verdade, veio de seu entusiasmo e é uma traição da vontade de Deus. Isso prova que a Bíblia não é dada por inspiração de Deus e que o Seu autor é o homem e não Deus.

Dado que o autor da Bíblia não é o Próprio Deus mas os homens, é errôneo e extremamente absurdo que tomemos todas as palavras da Bíblia como as palavras de Deus e pensemos que ela foi dada por inspiração de Deus. Eu vi mais algumas palavras no livro da verdade: “Hoje, as pessoas acreditam que a Bíblia é Deus e que Deus é a Bíblia. Então, também acreditam que todas as palavras da Bíblia foram as únicas palavras que Deus proferiu e que todas elas foram ditas por Deus. Aqueles que creem em Deus pensam até que embora todos os sessenta e seis livros do Antigo e Novo Testamentos tenham sido escritos por pessoas, todos foram inspirados por Deus e são um registro das declarações do Espírito Santo. Esta é a interpretação errônea das pessoas, e não corresponde inteiramente aos fatos. Na verdade, à parte dos livros de profecia, a maior parte do Antigo Testamento é um registro histórico. Algumas das epístolas do Novo Testamento vêm das experiências das pessoas, enquanto algumas da iluminação do Espírito Santo; as epístolas paulinas, por exemplo, surgiram do trabalho de um homem, todas resultaram da iluminação do Espírito Santo e foram escritas para as igrejas, eram palavras de exortação e encorajamento para os irmãos das igrejas. Não eram palavras ditas pelo Espírito Santo; Paulo não podia falar em nome do Espírito Santo, nem era ele um profeta, muito menos teve as visões que João contemplou. […] por isso, escreveu epístolas para todos os irmãos no Senhor. Tudo o que ele disse que era edificante e positivo para as pessoas estava certo, mas não representava as declarações do Espírito Santo, e ele não podia representar Deus. É um entendimento deplorável e uma tremenda blasfêmia as pessoas tratarem os registros das experiências e as epístolas de um homem como palavras ditas às igrejas pelo Espírito Santo! […] Assim, ele não podia falar em nome do Espírito Santo. Suas palavras não eram as palavras do Espírito Santo, muito menos pode-se dizer que elas eram palavras de Deus, pois Paulo não era mais do que uma criatura de Deus, e certamente não era a encarnação de Deus” (de “A respeito da Bíblia (3)”).

Se não fosse por este livro revelar-nos os mistérios da Bíblia, nunca os compreenderíamos nem veríamos através da raiz e essência dos problemas. Isso é absolutamente verdade. Na verdade, nenhum dos autores da Bíblia, exceto Moisés e os profetas que foram diretamente instruídos por Deus para transmitir Suas palavras, ousaram dizer que suas palavras foram inspiradas ou reveladas por Deus. O Senhor Jesus nunca disse tal coisa, nem o Espírito Santo. Se algum dos autores da Bíblia ousou dizer isso, foi uma blasfêmia contra Deus. Como aqueles que compilaram a Bíblia não disseram às pessoas como tratá-la corretamente, gerações posteriores formaram um ponto de vista errado sobre ela. Eles não podem distinguir entre as palavras de Deus e as palavras do homem na Bíblia e, como resultado, tratam as palavras do homem como palavras de Deus para aderir e seguir, anulando as palavras de Deus, o que se desvia completamente da vontade Dele. De fato, os profetas podiam apenas transmitir as palavras de Deus; as pessoas usadas pelo Espírito Santo também são incapazes de expressar Suas palavras, porque elas não possuem o que Ele tem e é. Elas só podem falar de suas próprias experiências e testemunhos sob o esclarecimento e a iluminação do Espírito Santo para fornecer e apoiar pessoas, o que está de acordo com a verdade e a vontade de Deus, mas nunca pode ser comparado às palavras Dele. A Bíblia documenta algumas palavras que Paulo e outros apóstolos falaram de acordo com a situação real das igrejas da época, e algumas das palavras de Paulo foram compiladas nas treze epístolas. No entanto, essas palavras foram ditas com o objetivo de edificar as igrejas e estabelecer a fé dos crentes, e algumas delas foram inspiradas pelo Espírito Santo quando carregaram um fardo para as igrejas. Não se pode dizer que essas palavras foram inspiradas por Deus. Mas nós não apenas adoramos a Bíblia, mas até mesmo tratamos as palavras do homem na Bíblia como palavras de Deus, mantendo o ponto de vista de que toda a escritura foi dada pela inspiração de Deus. Nós somos tão tolos. Isso não é oposição e blasfêmia a Ele?

Neste ponto, devemos entender que a Bíblia é um registro histórico da obra de Deus Jeová na Era da Lei e a obra do Senhor Jesus na Era da Graça, e foi escrita pelo homem; as palavras da Bíblia não são completamente as palavras de Deus, nem são inspiradas por Ele. Portanto, a noção de que “crer em Deus é crença na Bíblia” está errada, porque o autor da Bíblia é o homem e não Deus.

Veja também:

1-As obras e as palavras de Deus não podem ir além da Bíblia?

2-Ter fé no Senhor é equivalente a ter fé na Bíblia?

Deixe uma resposta