Inscreva-se

Menu

Uma reflexão sobre o sentido da vida

Sol e folhas

Meu pai sempre foi uma pessoa trabalhadora desde que me lembre. Para ganhar dinheiro, ele comprou uma parte de terra para plantar algodão, e ele também fazia aletria e tofu. Não importa o quanto ele trabalhasse ou quão cansativo fosse o trabalho, ele estava disposto a fazê-lo contanto que ganhasse dinheiro. Meu pai de fato trabalhou muito duro durante a primeira metade de sua vida. Meu irmão mais novo também começou a trabalhar com meu pai quando ele cresceu, mas o dinheiro que ganhavam ficava bem guardado com nosso pai. Normalmente, meu pai se relutava em gastar o dinheiro comendo bem ou se vestindo bem, ao invés disso ele economizava todo o dinheiro, e até quando era o Ano Novo Chinês ou outros feriados ele não estava disposto a gastar um centavo. Ele ainda trabalhava muito por dinheiro quando quatro dos meus irmãos e eu começamos nossas próprias famílias. Todos nós tentamos persuadi-lo, “Pare de trabalhar, você está velho agora. Nós já crescemos e não precisamos gastar o seu dinheiro mais! Nós podemos cuidar de você.” Mas ele disse, “Não! Tudo fica bem sem dinheiro? Eu me sinto mais útil gastando o meu próprio. O dinheiro é minha única confiança!” Ele nunca nos escutava, não importa o que disséssemos.

Meu pai ainda construiu casas para outros para ganhar dinheiro aos 73 anos de idade. Ele ainda guardava bem o dinheiro, e devido a isso, minha mãe brigava com ele com frequência. Independente de como tentávamos persuadi-lo, nunca conseguimos pará-lo de ganhar dinheiro. Mesmo quando meu irmão mais novo ia deixar a casa para começar sua própria família, meu pai ainda disse, “Você pode levar o que quiser desta casa, menos meu dinheiro!” Meu pai sempre teve uma mentalidade: o dinheiro é nossa confiança, e pode nos dar paz, é tudo para nós.

Até que um dia, de repente recebi uma ligação de minha irmã mais nova. Ela me disse que nosso pai havia sofrido um carcinoma da cárdia gástrica e estava no último estágio, e que ele estava se preparando para a cirurgia. Ouvindo esta notícia, fiquei chocada, pensando, “Meu pai sempre foi muito saudável, como ele pode estar sofrendo o último estágio de câncer? Isso pode acabar com a vida dele!” Então, viajei rapidamente ao hospital. Quando vi meu pai deitado na cama, me senti desconfortável e aflita. Naquele momento, ele já não tinha energia nem força para trabalhar por dinheiro. Devido à cirurgia, ele tinha tubos por todo o corpo e usava uma máscara de oxigênio. Sob a tormenta da enfermidade, ele mal conseguia falar, e só podia ficar deitado na cama impotente. Eu fiz o meu melhor para segurar as lágrimas ao notar seu olhar desamparado. Apesar de que eu me sentia mal por meu pai, não tinha ideia de como confortá-lo. Como filha, a única coisa que podia fazer era só fazer o meu melhor para cuidar dele durante o último período de sua vida.

Durante o período de radioterapia, meu pai não conseguia comer nada. Durante os meses de sofrimento, ele se tornou macilento, e estava falecendo. Minha mãe disse que meu pai havia gastado todo o dinheiro que havia economizado tratando sua enfermidade. Contudo, nenhuma quantia de dinheiro poderia salvar sua vida. Durante toda sua vida, meu pai trabalhou sem parar por dinheiro, e se relutou em comer bem ou se vestir bem. Mas agora ele só podia ficar deitado na cama, sem poder falar, e só podia se submeter à vontade do Céu, esperando a determinação do destino sem nada poder fazer. Vendo seu semblante complicado, eu não sabia o que ele estava pensando. No fim, a cirurgia não conseguiu salvar a sua vida. No momento antes de morrer, ele disse, “O dinheiro é inútil.” Então ele se foi para sempre com arrependimentos, deixando seus olhos abertos.

Meus irmãos e eu enterramos nosso pai com profunda tristeza em nossos corações. Na dor, eu lembrava das palavras de meu pai em seu leito de morte, “O dinheiro é inútil.” Durante toda sua vida, meu pai segurou o dinheiro firme em suas mãos, e ele pensava que ter dinheiro significava ter confiança e que isso poderia lhe dar tudo. No entanto, quando a enfermidade caiu sobre ele, o dinheiro não podia salvar sua vida, nem prolongá-la. Somente quando ele estava no final do túnel que ele percebeu que o que ele buscou era inútil, mas ele teve que pagar com sua vida para acreditar nisso. Não era tarde demais para se arrepender? Vendo como meu pai se foi com arrependimentos, eu não pude deixar de pensar em mim mesma.

Sob a influência de meu pai, eu acreditava nos ditos, “Dinheiro em primeiro lugar,” “O dinheiro faz as coisas andarem.” Portanto, após o casamento, eu trabalhei muito em terras e cuidei bem das colheitas, esperando que estas pudessem produzir mais grãos para vender. Para ganhar mais dinheiro, eu comecei um negócio paralelo criando coelhos, e vendendo tofu e pasta de limão. Apesar de que minhas mãos estavam queimadas pelo limão, descascando e com muitas bolhas, eu não reclamava de quão duro ou cansativo era o trabalho contanto que eu alcançasse meu objetivo de conseguir dinheiro. No fim, eu tinha dinheiro, mas as enfermidades também vieram com isso.

Pensando sobre como meu pai gastou toda sua vida buscando dinheiro e tratou isso como sua única confiança, me perguntei, “Estou me portanto como ele?” Meu pai só percebeu que o dinheiro não era sua confiança quando estava prestes a morrer, e no final ele faleceu com arrependimentos eternos. Suas últimas palavras e sua vida patética me coagiram a refletir sobre mim mesma: eu realmente seria como ele? Eu não queria repetir a tragédia daqueles que havia falecido, mas o que eu poderia fazer para não ter arrependimento quando morrer?

Bem quando eu estava perplexa e desamparada na vida, vi um parágrafo das palavras de Deus um dia, “As pessoas passam a vida correndo atrás de dinheiro e fama; elas tentam se agarrar a esses montes de palha, pensando serem seus únicos recursos, como se, ao tê-los, pudessem continuar a viver, pudessem isentar-se da morte. Mas só quando estão perto de morrer elas percebem quanto essas coisas estão distantes, quão fracas são em face da morte, quão facilmente se estilhaçam, quão solitárias e desamparadas estão, sem ter para onde se voltar. Percebem que a vida não pode ser comprada com dinheiro ou fama, que não importa quanto uma pessoa é rica, não importa quanto sua posição é elevada, todas as pessoas são igualmente pobres e irrelevantes diante da morte. Percebem que o dinheiro não pode comprar a vida, que a fama não pode apagar a morte, que nem o dinheiro nem a fama podem prolongar a vida de ninguém nem por um só minuto, um só segundo.

Estas palavras me impactaram muito. De fato, em nossa vida, todos corremos por todos os lados pelo dinheiro e status, pensando disso como nosso bem, como se fosse nossa única confiança e sustento na vida. Até sentimos que qualquer tipo de esforço para ganhar dinheiro vale a pena. Contudo, somente quando a morte nos aproxima que percebemos que o dinheiro satisfaz nossos desejos carnais só momentaneamente, nos trazendo uma vida material superior, mas nunca salvando nossas vidas. Diante da morte, o dinheiro é como papel gasto, inútil, fraco e sem valor.

Relembrando o caminho em que eu estava, vi que era o mesmo do meu pai. Eu vivia baseada nas filosofias de vida de Satanás, como: “O dinheiro faz as coisas andarem,” “Dinheiro em primeiro lugar,” “Dinheiro não é tudo, mas sem ele não podemos fazer nada,” e “Você pode ficar sem nada menos dinheiro.” Naquele momento, eu pensava na vida de meu pai: ele gastou toda sua vida buscando dinheiro, e até aos setenta anos de idade ele ainda se relutava em descansar; ele segurava o dinheiro firme em suas mãos, relutante em comer bem ou se vestir bem durante toda sua vida; somente na hora da morte que ele percebeu que o dinheiro que ele buscou a vida inteira não poderia salvá-lo, mas era tarde demais para perceber isso e ele partiu com arrependimentos. Mas agora eu ainda estava no caminho do meu pai, vendo o dinheiro como o objetivo da minha vida. Eu estava correndo por dinheiro, e trabalhando demais me causou muitas enfermidades também, com meu coração cheio de dor e desamparo. Tudo isso não era devido às aflições de Satanás? Acontece que buscar dinheiro é um caminho errado, e não pode nos trazer qualquer felicidade verdadeira, somente alegrias físicas temporárias. Meu pai partiu com arrependimentos. Eu não queria repetir o caminho que ele percorreu, e queria achar um novo começo para minha vida.

Mais tarde, eu vi outro parágrafo das palavras de Deus, “Se alguém deseja partir deste mundo de modo indolor, se alguém quer ser capaz de encarar a conjuntura final da vida sem relutância ou preocupação, a única maneira é não deixar remorsos. E a única maneira de partir sem remorsos é conhecer a soberania do Criador, conhecer Sua autoridade e submeter-se a elas. Só assim é possível manter-se longe das contendas humanas, do mal, do cativeiro de Satanás; só assim é possível viver uma vida como a de Jó, guiada e abençoada pelo Criador, uma vida livre e liberta, uma vida com valor e significado, uma vida que é honesta e sincera. Só assim é possível submeter-se, como Jó, a ser provado e despojado pelo Criador, submeter-se às orquestrações e aos arranjos do Criador. Só assim é possível adorar o Criador a vida toda e ganhar Seu elogio, como Jó ganhou, e ouvir Sua voz, vê-Lo aparecer. Só assim é possível viver e morrer com alegria, como Jó, sem dor, sem preocupação, sem remorsos. Só assim é possível viver na luz, como Jó, passar por todas as conjunturas da vida na luz, completar sem dificuldades a jornada na luz, realizar a missão com sucesso — experimentar, aprender e chegar a conhecer a soberania do Criador como ser criado — e falecer na luz, e depois permanecer para sempre ao lado do Criador como um ser humano criado, elogiado por Ele.

Quando não nos colocamos diante de Deus nem buscamos a verdade em Suas palavras como vida, nunca poderemos saber como distinguir entre coisas positivas e negativas e enxergar através das enganações de Satanás. Mesmo se temos consciência de que buscar riquezas não tem sentido, não podemos deixar de seguir a tendência deste mal, adorando e buscando dinheiro, e sendo tentados por Satanás a ir pelo caminho errado. Somente as palavras de Deus são a verdade e podem ser guia para nossas vidas. Seguindo os pontos de vista errados que Satanás imbuiu em nós, nunca alcançaremos a verdade, mas só seguiremos na direção oposta de Deus, então toda nossa vida será em vão. O único modo de partir sem arrependimentos é se colocando diante de Deus, aceitando o regar de Suas palavras, e adorando o único Deus verdadeiro. Suas palavras são a verdade, o caminho e a vida. Quando lemos mais das palavras de Deus, conhecemos mais verdades e vivemos de acordo com Suas palavras e verdades, então saberemos como distinguir entre coisas positivas e negativas e não seremos levados tão facilmente pelas tendências malignas de Satanás. Quando verdadeiramente nos submetemos à autoridade e soberania de Deus e buscamos conhecê-Lo, viveremos sob Sua orientação e bênçãos. Deste modo, podemos viver uma vida com sentido e valor, e então ela também irá florescer maravilhosamente neste tempo curto!

Assim como Jó, que buscou alcançar o temor a Deus e rejeitar o mal durante toda sua vida; ele sabia que as bênçãos ou desastres não podem ser decididos pelos homens, e a riqueza também não se alcança somente pelo homem, mas todas estas coisas são predestinados por Deus, e tudo o que Ele faz é o melhor para homem, e Ele merece a adoração dos homens eternamente. Portanto, quando Jó era rico, ele não trabalhava por mais dinheiro, mas calmamente encarava as bênçãos de Deus; quando ele perdeu todo seu dinheiro e seu corpo ficou coberto de furúnculos, ele não reclamou de Deus e ainda adorou Seu nome. Independente de receber bênçãos ou sofrer infortúnios, independente de possuir grandes riquezas ou não ter nada, ele podia encarar tudo calmamente devido a seu verdadeiro conhecimento da autoridade de Deus e verdadeiro temor e obediência em seu coração e espírito. Jó viveu sob a orientação e proteção de Deus durante a segunda metade de sua vida, e foi libertado da invasão e distúrbio de Satanás, alcançando completamente a liberdade, e no fim, ele morreu sem arrependimentos. Ele realmente viveu uma vida com sentido.

Agora eu leio as palavras de Deus todos os dias, vivo a vida da igreja, e fazer meus deveres como criatura de Deus. Quanto mais leio as palavras de Deus, mais compreendo as verdades, então sou capaz de distinguir entre alguns pontos de vista errados e já não me sinto limitada a eles. Deixei de ser viciada em trabalho para ganhar dinheiro, e aprendi a me submeter à soberania e aos arranjos de Deus e focar em como viver uma vida com sentido. Agora minha vida está enriquecida, e eu também me sinto em paz no coração e no espírito, o que é algo que nunca pode ser alcançado com o dinheiro! Eu realmente agradeço a Deus por Sua salvação!

Por Xin Zhi

Deixe uma resposta