Inscreva-se

Menu

O que é honestidade - Como ser uma pessoa honesta

Pessoa honesta,Mulher feliz

O Senhor Jesus disse: “Deixai vir a mim as crianças, e não as impeçais, porque de tais é o reino de Deus. Em verdade vos digo que, qualquer que não receber o reino de Deus como criança, de modo algum entrará nele” (Lucas 18:16-17). Como pode ser visto nas palavras do Senhor, Deus ama e abençoa pessoas honestas. Somente depois de nos tornarmos pessoas honestas, podemos nos qualificar para entrar no reino de Deus. Então, sem dúvida, cada um de nós, crentes, deve praticar a honestidade, se quisermos obter a aprovação do Senhor. Então, quais são os princípios da honestidade? Recentemente, um pregador comungou esse aspecto da verdade comigo, o que me beneficiou muito. A seguir, gostaria de compartilhar isso com todos vocês.

Primeiro, devemos praticar a honestidade na oração.

Cada um de nós, cristãos, deve orar a Deus todos os dias, mas nossas orações estão de acordo com o coração de Deus? Vamos ver como nós oramos na maioria das situações: quando encontramos uma dificuldade e queremos que Deus nos ajude, nós dizemos palavras que soam bem em nossa oração: “Senhor, se Tu me ajudares a resolver este problema, vou dedicar-me a Ti e gastar toda a minha por Ti.”Contudo, depois que Deus resolve nosso problema, nós esquecemos de nossa oração. O voto feito diante de Deus se tornou uma mentira. Às vezes, nós nos justificamos e nos exibimos em oração, e contamos ao Senhor sobre todo o nosso sofrimento e sobre a obra que fazemos por Ele, querendo que Ele se lembre de nós e nos dê uma coroa de justiça no futuro. Essa oração é uma barganha com Deus. Às vezes, quando nos deparamos com um assunto, em vez de buscar a intenção do Senhor, apenas O louvamos cegamente em oração com muitas palavras repetitivas e vazias. Na verdade, não nos sentimos tocados em nossa coração, fazemos as coisas por fazer. Pode-se dizer que fazemos essas orações enganosas todos os dias.

O Senhor Jesus disse: “Deus é Espírito, e é necessário que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade” (João 4:24). “E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios; porque pensam que pelo seu muito falar serão ouvidos” (Mateus 6:7). Das palavras do Senhor, podemos ver que Deus deseja que nos aproximemos Dele e o adoremos com um coração honesto. Deus não se importa se nossas orações são longas ou curtas, ou se nossas palavras são agradáveis ​​de se ouvir. Ele só se importa se nossas orações vêm ou não do nosso verdadeiro coração. Portanto, devemos orar a Deus de maneira pura e aberta, pronunciando palavras sinceras e de coração a Ele. Além disso, devemos confessar honestamente nossos erros e transgressões a Deus, e verdadeiramente nos arrepender, jurando que nunca mais pecaremos outra vez. Por exemplo, a oração de arrependimento de Davi é sincera. Em seus últimos anos, seus servos trouxeram uma jovem para sua cama para se juntar a ele debaixo das cobertas para mantê-lo aquecido, mas David não se aproximou dela. Além disso, quando nos deparamos com um assunto, não devemos nos concentrar apenas no louvor verbal em oração, mas devemos buscar, ponderar e entender a vontade de Deus e, assim, dar nosso sincero louvor a Ele. Tome a oração de Jó como um exemplo. No meio das provações, ponderando e buscando, Jó finalmente proferiu tal louvor: “Jeová deu, e Jeová tirou; bendito seja o nome de Jeová” (Jó 1:21). Essa oração é sincera e aceita por Deus. Além disso, há outro ponto em que devemos prestar atenção na oração: precisamos trabalhar arduamente para cumprir o que dissemos perante o Senhor e pensar e agir da mesma maneira.

Segundo, devemos dizer a verdade e abandonar a mentira em nossa vida diária.

Todos os dias dizemos muitas palavras. Se examinarmos cuidadosamente nossas palavras, descobriremos que, em geral, mentimos para proteger nossos próprios interesses. Por exemplo, quando nossos irmãos e irmãs nos pedem para que ensinemos a eles uma habilidade em que somos bons, por medo de sermos superados, nós nos detemos e dizemos que já passamos todo o conhecimento que tínhamos. Às vezes, quando os outros nos perguntam algo, sem vontade de responder, nós falamos o que não é solicitado. Por exemplo, alguém pode nos perguntar: “Eu acho que vi você enquanto estava fora ontem. Está certo?”Como não queremos que a pessoa saiba a verdade, nós perguntamos: “E você?” Isso é enganar o outro. Às vezes, quando o líder da igreja nos pergunta sobre a situação de alguém, com medo de ofendê-lo, não ousamos dizer a verdade e respondemos: “Eu não sei. Mas você pode perguntar aos outros”. Pode-se dizer que cada um de nós conta muitas mentiras todos os dias.

Então, como podemos resolver o problema da mentira? Primeiro, devemos saber que Deus é onipotente e onisciente e inspeciona o coração das pessoas. Ao dizer cada sentença, devemos aceitar a observação de Deus. Devemos prestar muita atenção ao que dizemos e praticamos falando com base em fatos. Devemos dizer que uma coisa é aquilo que ela é e não atentar contra nossa consciência. Assim como o Senhor Jesus disse: “Seja, porém, o vosso falar: Sim, sim; não, não; pois o que passa daí, vem do Maligno” (Mateus 5:37). Portanto, devemos examinar cada sentença que falamos, analisando cada mentira, palavras que não são verdadeiras, palavras que diluem a verdade, que não são precisas e palavras que não se encaixam nos fatos. Se o que dizemos é errado, devemos corrigir e reformular. Se descobrirmos algo falso, devemos falar aos outros o mais breve possível e abrir nossos corações aos irmãos e irmãs sobre as intenções e objetivos por trás de nossas palavras.

Durante a prática da honestidade, devemos confiar no Senhor e tomar uma decisão diante Dele:“Senhor! Porque Satanás me corrompeu muito profundamente, eu me transformei em alguém que mente o tempo todo. Eu mereço ser amaldiçoado, mas Tu ainda me salvas, permitindo que eu me arrependa e me torne uma pessoa nova. Hoje, eu oro a Ti. Estou disposto a me tornar uma pessoa que diz a verdade sem falsidades. Se meu esforço não for suficiente, Tu podes me disciplinar.” Então devemos começar a praticar a verdade. Isso significa que devemos dizer a verdade sob quaisquer circunstâncias e falar apenas coisas factuais, com base no que nós mesmos compreendemos e sabemos. Se fizermos as coisas dessa maneira, podemos garantir que o que dizemos será honesto.

Terceiro, devemos nos livrar das intenções de barganhar com Deus e falar sobre condições.

Nós, que cremos em Deus, tentamos o nosso melhor para realizar alguns deveres, que é o que os seres criados devem fazer e a manifestação se nossa retribuição à graça da salvação do Senhor. Mas, se trabalhamos para o Senhor com a intenção de conseguirmos algo em troca, estaremos enganando a Deus. Por exemplo, algumas pessoas pensam que, se nos abandonarmos, nos gastarmos e fizermos grandes sacrifícios pela obra da igreja, teremos a certeza de poder entrar no reino dos céus. Alguns pensam que, se dedicarmos nossa vida inteira ao Senhor, estabelecermos igrejas em toda parte e apoiarmos e provermos irmãos e irmãs, certamente obteremos a coroa da justiça no futuro. E outros até acreditam que, se ajudarmos os irmãos e irmãs em dificuldades, o Senhor certamente nos abençoará, tornando nossa própria família próspera. Nós estamos barganhando com o Senhor e estabelecendo condições. Aparentemente, estamos trabalhando para o Senhor, mas, na realidade, queremos usar os sacrifícios temporários para obter a graça e as bênçãos de Deus. Estamos longe de satisfazer a Deus com um coração honesto.

No entanto, uma pessoa honesta pode se gastar para Deus diligente e conscientemente em segredo, como uma criatura Dele. Ela está disposta a dar tudo o que tem e não pede nada em troca. Buscar satisfazer a vontade de Deus é o seu maior conforto, mesmo que ela tenha que sofrer toda a sua vida. Assim como as palavras de Deus dizem: “Se você fica muito contente em ser um servidor na casa de Deus, trabalhando diligente e conscienciosamente no anonimato, sempre dando e nunca tirando, então digo que você é um santo leal, porque não busca recompensa e está simplesmente sendo honesto”. Pedro é tal pessoa. Realizando a obra da igreja, ele nunca pensou em seu prazer carnal pessoal ou em seu futuro e destino, mas os confiou a Deus com a crença de que o destino que Deus providenciou para ele era o melhor. O Senhor Jesus tinha muito respeito por Pedro, por isso, confiou a ele o dever de pastorear as igrejas, antes de ressuscitar e ascender ao céu. Pedro tomou as comissões de Deus como sua mais alta missão e dever, estabelecendo a satisfação das exigências de Deus como seu maior objetivo na vida. Finalmente, ele alcançou um amor supremo por Deus e obedeceu até a morte, dando um retumbante testemunho Dele.

Quarto, devemos entregar nosso coração a Deus. Esta é a prática mais importante.

Exteriormente, retornamos para o Senhor, mas o que não podemos negar é que as palavras Dele ainda precisam se tornar a nossa vida. Existem muitos pontos de vista satânicos e filosofias de vida dentro de nós, de modo que nossos corações ainda são controlados por Satanás e não foram ainda entregues totalmente ao Senhor. Algumas pessoas buscam o dinheiro e colocam todos os seus corações nisso, pensando que não podem viver sem dinheiro. Outras buscam fama e status, pensando que somente se tiverem status e forem apoiados e admirados por outros, suas vidas terão significado. Algumas seguem as tendências malignas do mundo, perseguindo os prazeres da vida, com a crença de que viverão em vão se não aproveitarem bastante. A partir disso, podemos ver que ainda estamos servindo a Satanás enquanto seguimos a Deus; na presença de Deus, nossos corações se afastam Dele. Este não é o maior engano?

Já que cremos em Deus, devemos entregar nossos corações a Ele, buscar Sua vontade em todos os assuntos, agir de acordo com Suas palavras e obedecer a Seus arranjos em tudo. Dar nosso coração a Deus não significa apenas confiar as coisas nas mãos de Deus quando o servimos. Nosso caminho de vida futuro e os nossos objetivos de vida devem ser perseguidos com base nas exigências de Deus para nós. O Senhor Jesus disse: “Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás” (Lucas 4:8). Fama, lucro, status e os prazeres da carne são coisas mundanas. A vida só é significativa se buscamos adorar e obedecer a Deus. Essa também é uma das exigências que o Senhor tem para nós e que devemos praticar. Além disso, as grandes coisas da vida, como o casamento, a família e o estilo de vida, devem ser confiadas às mãos de Deus. Devemos viver de acordo com nosso curso de vida predeterminado por Deus, e dar prioridade a agradá-Lo em vez de considerar nossa própria vontade. Tome Jó como um exemplo. Ele se entregou totalmente a Deus, dedicando-se a Ele de corpo e mente. Assim, quando perdeu toda a sua riqueza, seus filhos e filhas, e seu corpo ficou cheio de feridas nas grandes provações, ele não se queixou de Deus nem uma vez, mas buscou obedecê-Lo e, finalmente, foi testemunha Dele. Assim, ele foi chamado de justo por Deus e era uma pessoa honesta aos olhos Dele.

Portanto, se agirmos de acordo com os princípios acima, gradualmente nos tornaremos criancinhas aos olhos de Deus, que são puras e honestas. Irmãos e irmãs, vamos seguir o caminho da honestidade.

Deixe uma resposta